22.12.16

Mercado de Natal de Munique

Luzes, câmera e Natal! É assim, com muitas luzes e câmeras fotografando e filmando por todos os lados, que aos mercados de Natal recebem os visitantes. E tem sempre muita gente, esteja o frio que estiver! Ninguém se abala com isso.
O mês de dezembro está quase no fim e este é o meu primeiro post natalino do mês! Logo eu que adoro o Natal! Eu imagino que para um "não-cristão", que more em um pais cristão, ou para quem não goste do Natal, que essa época do ano seja "insuportável" (rs..) tamanha a atmosfera natalina que se vê por todos os lados. E eu acho tudo isso insuportavelmente maravilhoso!!

Todos os anos eu procuro visitar pelo menos um mercado de natal diferente, já que aqui na Suíça eu visito sempre o de Zurique e eventualmente algum de outra cidade. E são todos realmente muito festivos.
Muitos alemães e suíços tem por hábito montar a árvore de natal com um pinheiro de verdade.
Estes estavam sendo vendido em frente ao Feldherrnhalle (Hall dos Marechais)


Desta vez, estive no mercado de Natal da cidade Munique. Que "só" a cidade, já dispensa apresentações. Cada vez que eu piso lá, eu gosto mais ainda dela. Adoro Munique e eu acho que "conseguiria" até morar na cidade se tivesse chance, rs...Cidade incrível, bonita, bem cuidada e repleta de opções de lazer. Imagine então com o mercado de Natal!!

Marienplatz, Munique. Foi assim com esse céu azul (um luxo para o mês de dezembro,rs.) que fomos recebido na cidade.

Em Munique há vários mercados de Natal. O mercado que nós visitamos, acredito eu que seja o mais central da cidade, pois ele fica na parte histórica de Munique, começando na Karlplatz e seguindo pela Marienplatz até o Virtualienmarket, que é uma espécie de "feirinha" com barracas vendendo flores, especialidades locais, e etc...

Como era de se esperar, muita comida, doces e glühwein (vinho quente) sendo vendidos. O cheiro do vinho, das amendôas caramelizadas e das mais diversas comidas, deixava a atmosfera das ruas ainda mais especial. Cheiro de Natal!!

Além disso, no pátio do Palácio Residenz que também fica na parte histórica de Munique, acontecia uma feira de Natal. Ou seja, a cidade estava realmente tomada pelo clima natalino.
 
Natal no páteo de Palácio Residenz, que foi a casa dos antigos reis da Bavária
A medida que a noite foi caindo e as luzes foram se acendendo, foi ficando tudo ainda mais bonito e consequentemente, lotado. Quase impossível fazer fotos com tanta gente!
Artesanatos, velas, bonecas, compotas de frutas, mel, lanternas, bijouterias, ou seja, muita coisa bacana e bonita sendo vendida nos mercados de natal. E, honestamente, achei o preço da maioria das coisas bem justo e correto. Vale mesmo muito a pena!

Vi algumas barracas de artesãos, cujo ofício foi passado de geração para geração desde o ano de 1900 e alguma coisa...é muita tradição!



Eu pensei se deveria publicar esse post, pois logo quando comecei a separar as fotos para o post, houve o atentado ao mercado de natal de Berlim. E, é claro que eu e milhares de pessoas ficaram abaladas com essa notícia. No entanto o próprio prefeito da cidade de Berlim, em entrevista, disse que as pessoas devem continuar visitando os mercados de Natal, pois a segurança foi reforçada com mais policiais e barreiras foram instaladas nos mercados para impedir ataques similiares.
 
Não devemos mesmo ceder ao medo que os terroristas querem nos impor. Claro que devemos tomar cuidado, mas onde estaremos seguros? Em casa? No trabalho? Na escola? Na rua? Devemos também ajudar a não aumentar o pânico, não alimentando a onda de boatos e muito menos compartilhando links com notícias de sites pouco confiáveis por ai. Enfim, a vida tem que seguir.
Biergarten próximo ao Virtualienmarkt em Munique
Independente disso, os mercados de Natal da Alemanha, seguidos pela Suíça e Aústria são uma atração imperdível e tradicional nesta época do ano. As cidades ganham realmente um ar festivo, as pessoas confraternizam na rua até o horário de fechamento dos mercados e a atmosfera é mesmo de muita alegria.


Que nada consiga nos tirar a paz.

Feliz Natal! Muita luz e harmonia a todos!
Continue lendo ››

19.12.16

Kaiserschmarrn, a sobremesa do imperador

Kaiserschmarrn, um nome um pouco difícil de pronunciar, mas uma sobremesa muito fácil de fazer. A primeira vez que eu experimentei Kaiserschmarrn, foi em Viena, na Aústria. Aliás essa sobremesa vem de lá. Porém você não precisa ir até a Aústria para experimentar esse doce (claro, que se puder comer lá, melhor ainda!), pois é muito fácil de fazer.
Kaiserschmarnn, servido com uma compota de cerejas. Que delícia!!
Reza a lenda que esse doce foi inventado quando o então imperador da Aústria, Franz Joseph, quis uma sobremesa e o cozinheiro, visto em apuros, resolveu preparar um doce com os pouquíssimos ingredientes que até então ele tinha na cozinha. Assim, "nascia" o Kaiserschmarrn, que em tradução livre significa Kaiser (imperador) schmarrn (algo como nosense, absurdo, sem sentido). "Imperador nosense" (??).
Kaiserschmarrn do mercado de Natal de Zurique. Pouco fotogênico, mas uma delícia.
Este doce é muito comum na Áustria, mas com o tempo ele se espalhou pela Alemanha e República Tcheca. Aqui na Suíça eu só vi sendo vendido em eventos pontuais, como no mercado de Natal de Zurique. Estive lá semana passada e é claro que eu tive que experimentar o de lá também, que não decepcionou e estava uma delícia. Aliás, no mercado de Natal de Munique, (post em breve) na Alemanha, havia também uma barraquinha vendendo Kaiserschmarrn.


Kaiserschmarrn sendo vendido no mercado de Natal de Munique
Bom, mas o que é exatamente o Kaiserschmarrn? É uma espécie de panqueca, feita com farinha, passas, ovos, leite e açúcar, que depois de frita, é cortada em pedaços e servida com uma compota de frutas, purê de maça ou outras variações de "molho" doce.

Abaixo segue o vídeo do Axel, um alemão que fala português e que ensina a preparar esse doce. Ele fez sem a compota de frutas, mas a variação fica a sua escolha!


Fica ai então a dica de uma sobremesa deliciosa que é fácil e rápida de fazer.

Bom apetite!
Continue lendo ››

24.11.16

St. Martin e o vale de Calfeisental

🎵🎵♪♪ 
Moro onde não mora ninguém
onde não passa ninguém
onde não vive ninguém
é lá onde moro
e eu me sinto bem  ...
🎵🎵♪♪

Calfeisental, é esse lugar. Onde não mora ninguém. Onde não vive ninguém. O vilarejo fica aberto somente de maio até outubro. Nos outros meses do ano, não passa mesmo ninguém.
Foi no início do século 14 que St.Martin e o vale de Calfeisental começaram a ser habitados. Foram os Walsers (moradores dos alpes) que começaram a viver lá. Entretanto, nem para os Walsers, que eram acostumados a viver nas montanhas, a vida em Calfeisental era fácil.
Devido as condições climáticas desfavoráveis, com o passar dos anos os Walsers foram migrando, e arrumando outro lugar para amarrar a égua, ou melhor, as cabras. Com isso o vale foi ficando cada vez mais deserto. Para se ter uma idéia do quão difícil era viver lá, entre 1300 a 1652 viveram ali somente cerca de 100 pessoas. Pouca gente para tantos anos.
As casinhas de Skt. Martin que servem de pousada e restaurante de maio a outubro
Em Calfeisental há somente uma rua "habitável", com um restaurante, que serve também como pensão/pousada entre os meses de maio a outubro para os turistas e para os caminhantes. Durante o inverno, a estrada para Skt.Martin fica fechada devido a perigos de avalanche.
Calfeisental é um afluente do vale Tamina e é um lugar mais conhecido turisticamente pela população local aqui da Suíça, acho que especificamente por aqueles que fazem trilhas nas montanhas. O vale fica localizado na região de Bad Ragaz, mesma região onde fica o vilarejo da Heidi, não há lá um turismo de massa, como nas montanhas mais famosas daqui, em partes também pela dificuldade de se deslocar até lá. Atualmente essa é uma área de reserva e proteção ambiental.

Chegar até Calfeisental não é das tarefas mais fáceis. Isso porque, diferente da maioria dos vilarejos alpinos da Suíça que é servido por cable, trem ou ônibus, Calfeisental só é alcançável de carro ou a pé. Para quem for visitá-lo de transporte público, será necessário ir até Bad Ragaz e da estação de trem, você deverá tomar um ônibus até Vättis e de lá, seguir a pé até Calfeisental. A caminhada será longa... Já de carro, a partir de Bad Ragaz programe o GPS para Skt.Martin e de lá siga as sinalizações. A estrada que liga o vale é sinuosa e cheia de curvas. Além disso, será necessário atravessar dois ou três túneis bem estreitos, e por isso atenção: os acessos para ir e vir são limitados a cada meia hora (meia hora pra cada sentido ida e volta). Não é possível que dois carros trafeguem ao mesmo tempo.

A barragem de Gigelwald, na chegada a Skt Martin
Mas, chegar lá, valeu o esforço. A manhã do começo de outono havia começado gelada, mas felizmente o sol fez a gentileza de aparecer horas depois em Calfeisental. Esse é um lugar muito bonito e que guarda uma certa aura mística. Muitos acreditam que este vale possui fortes energias e muitas lendas relatam que eventos estranhos e "sobrenaturais" aconteceram por lá. Místicos creem que Calfeisental é um lugar de cura e de energização.


Bem, o vale é um verdadeiro achado para quem procura por tranquilidade e belas paisagens.Se é energético ou místico, eu não sei, mas estando lá a gente sente mesmo uma aura de paz e tranquilidade. Impossível ficar alheia a beleza do vale e ao silêncio do alto das montanhas.
 Riachos e pequenas quedas d' água cortam o vale.
Estando lá é possível explorar uma boa parte do vale e fazer uma caminhada até a cabana do Sardona (mas nós não fomos) cuja área foi tombada pela Unesco. Enfim, há pessoas que caminham durante dois dias para explorar o vale inteiro! Pra gente, não foi dessa vez. Quem sabe em uma próxima oportunidade.
Continue lendo ››

13.11.16

Eguisheim

Uma lindíssima vila na região da Alsácia. É assim que eu posso começar a descrever Eguisheim.

Pertencente ao território francês, Eguisheim fica localizada a poucos quilômetros da fronteira entre a Suíça, a França e Alemanha, se tornando assim um fácil e excelente destino para quem está ou mora na Suíça. Junto com Ribeauvillè e Riquewir, Eguisheim faz parte das cidades que estão na rota do vinho branco da Alsácia.

Vielinhas estreitas com casinhas repletas de flores que lembram casas de contos de fadas, lojinhas de vinho e de especialidades alsacianas decoradas com tonéis de carvalho, deixam a cidade com cara de sonho!

Nem mesmo um dia nublado de outono conseguiu apagar o charme e a beleza das ruazinhas da vila de Eguisheim. Aliás, você sabia que esta vila foi eleita pelos franceses com uma das mais belas da França?
Além disso, essa vila ganhou também esse título devido às inúmeras flores que enfeitam as casas e os comércios. É tudo muito fofo!!!




A cegonha é o símbolo da região da Alsácia e em todas as cidades da rota do vinho haverá muitos souvernirs com referências a elas. Em Eguisheim, um pouquinho fora do centrinho da cidade, encontramos um viveiro com algumas cegonhas.

Passamos somente algumas horas na cidade, mas que foram suficientes para andar por todas as ruazinhas, visitar as lojinhas de produtos da região, almoçar, tomar um café, comprar vinho e voltar para a casa.
Lojinhas de souvenirs e pratos da culinária local.
Claro que, além disso, há muitos roteiros pela região para quem quiser visitar as vinícolas e fazer degustação de vinhos.

A região da rota do vinho da Alsácia é muito conhecida turisticamente, mas como eu já havia citado no post sobre as outras duas vilinhas que visitei (Riquewihr e Ribeauvillè), fica um pouco complicado visitar a região sem carro ou de ônibus de forma independente (sem ser de excursão), porque transporte público funciona de maneira restrita, com ônibus circulando em poucos horários.


Por isso é melhor se planejar bem ou procurar por uma agência de turismo para não ficar na mão.

Fim do passeio! Obrigada por me acompanharem :-).
Continue lendo ››

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...