27.5.14

52 Objetos - Semana 51


♥ Objeto 51

O que é: Vestido



De onde vem: Foi comprado em uma loja de Zurique

Onde fica: No guarda roupas

Porque foi escolhido: Porque foi esse o vestido que usei no dia do meu casamento civil. Eu queria um vestido que fosse simples, mas elegante, e que eu pudesse usar depois em diferentes ocasiões. Quando experimentei esse vestido, foi uma surpresa, porque olhando a primeira vista, não parece que ele cai tão bem, mas o corte dele é perfeito! Acabou que usei esse vestido pouquíssimas vezes depois do meu casamento. Eu sempre espero por uma ocasião bacana para poder usá-lo de novo, porque ele sempre me traz a lembrança do dia que casei e eu não quero banalizar o uso dele, rs... O vestido fica amassado mesmo porque eu o guardo dobrado e esse tecido amassa só de tocar, rs...

No dia eu usei esse vestido com um casaqueto de lãzinha marfim, pois casei no outono e já estava friozinho, além de ter chovido muiiito. Deixei para comprar o vestido na Suíça e quase fiquei louca, rs... porque naquela época não encontrava nada que me agradasse. Em lojas de festas, só encontrava vestidos muito enfeitados e com brilhos. Em lojas normais, não gostava de nada. Se fosse hoje em dia eu tenho certeza que não sofreria tanto com a busca, porque já conheço bem mais as lojas daqui e sei onde devo ir quando quero algo específico, mas naquela ocasião, eu não conhecia tanto assim os points "fashions" da cidade, rs.
 
Continue lendo ››

23.5.14

Hafenkran, a obra de arte da discórdia

Eu ia escrever arte entre aspas, mas sei que o gosto e a admiração pela arte é um conceito bem subjetivo. Cada um tem o seu gosto e o que agrada a mim pode não agradar ao outro.

Eu me considero uma pessoa de mente super aberta para as manifestações artísticas e culturais. Acho que os movimentos artísticos nos leva a questionar sobre muitas coisas, nos abre a mente e nos coloca em contato com a beleza, com a sensibilidade, com a história do artista e por ai vai... Eu gosto de arte moderna, embora eu não seja a pessoa mais entendida no assunto para discutir isso com alguém, mas gosto sim, de ver trabalhos deste segmento em exposições ou por algum museu, como o Museu Tinguely em Basel ou o Centro Paul Klee em Berna.


E como manifestações artísticas sempre rendem uma boa discusão, uma das coisas que tem chamado bastante a atenção em Zürich, é a enorme instalação chamada Hafenkran (guindaste do porto), que foi instalada em frente a Rathaus (prefeitura) de Zurique e às margens do rio que cruza a cidade, o Limmat.



Essa instalação gerou muita controvérsia, pois não é assim um tipo de arte que agrade, digamos assim, a massa. Tanto é que dos comentários que eu li a respeito, a maioria se mostrava contra o projeto.



Os idealizadores acreditam que a aceitação ou não de um a manisfestação de arte, vem sempre acompanhada de algum conflito. Eles afirmam que há sim muitas reações positivas e que o guindaste tem uma grande qualidade artística e surge como um símbolo da abertura da cidade de Zurique ao novo. Segundo eles, a aceitação é uma questão de tempo e Zurique precisa de um marco como esse.

... então tá...

O custo do Hafenkran para a cidade de Zurique foi de seiscentos mil francos e a instalação deve permanecer na cidade por seis meses.

Eu sei que eu, particularmente, ainda não me acostumei com este guindaste. O meu olhar só consegue enxergar algo que parece um guindaste de uma construção cívil. Sinceramente, eu ainda não consegui identificar a arte ali. Mas, é isso, a beleza está nos olhos de quem vê. E eu ainda não consegui enxergá-la neste aspecto. Quem sabe daqui há alguns meses meu olhar também se acostume ao Hafenkran...


De qualquer forma, Zurique continua linda.



E se sentar a beira do Limmat, com ou sem o Hafenkran, continua sendo um programa gostoso de se fazer!

Continue lendo ››

19.5.14

52 Objetos - Semana 50


♥ Objeto 50

O que é: Necessarie



De onde vem: Foi comprada na loja da Work out em São Paulo

Onde fica: Dentro do guarda-roupas

Porque foi escolhido: Eu acho que eu tinha uns 16,17 anos quando comprei esta necessarie na loja da Workout em São Paulo (acho que essa loja nem existe mais). Eu me lembro de como se fosse hoje, eu no meu horário de almoço caminhando por aquelas ruas da região do Itaim-Bibi olhando as lojas e pensando no que eu ia comprar com o meu salário, rs... Eu trabalhava no início da Av. Faria Lima, como recepcionista em um escritório de uma software-house. Naquela época eu não tinha tantas obrigações e ainda estava pensando no que fazer da vida, hahahaha. Essa necessarie é uma das poucas coisas “antigas” que eu ainda tenho e ela me lembra um tempo bom, das viagens para a praia ou para um sítio nos feriados prolongados com os amigos de adolescência, nas pessoas que trabalharam naquele escritório...  Tenho outras necessaries, mas até hoje quando vou à praia, é essa bolsinha que me acompanha. Poxa, passou um filme agora na minha cabeça. Como uma coisa tão simples, pode trazer tantas lembranças… Recordar é viver!

Continue lendo ››

13.5.14

Tempo de morangos

Uma das frutas que mais representa a primavera-verão aqui na Suíça, é o morango. Junto com ele vem também outras frutas vermelhas como por exemplo, a framboesa e a cereja, que eu, juntamente com o morango, adoro!

Morangos à venda na cidade alemã de Gengenbach

Os morangos costumam a chegar aos supermercados no começo de março. Já escrevi neste post aqui o quanto pode ser frustante provar destes morangos, já que eles, por serem colhidos bem cedo, costumam amadurecer fora do pé, e estão muitas vezes, azedos!

Bom, mas se você, assim como eu, não consegue resistir a uma caixinha suculenta de morangos, mesmo que você saiba que a maioria dos morangos vão estar azedos, que tal transformá-los em uma deliciosa sobremesa? Agora é a época ideal para tentar receitas que levam morangos.

Os morangos mais azedinhos, aqueles que chegam no início da estação (e que também são os mais baratos), geralmente vem da Espanha ou da Itália e são ideais. Com a mistura do açúcar e do leite condensado, que são os ingredientes da maioria das sobremesas, o sabor fica bem equilibrado, disfarçando o azedo dos morangos.

Já fiz duas sobremesas diferentes com morangos e vou dividir a receita aqui. As duas ficaram bem saborosas e são bem fáceis de fazer.

Quem fizer, me convide pra comer :-).


Pavê de morango

Ingredientes

1 xícara (chá) de creme de leite fresco (240 ml)
1 colher (chá) de essência de baunilha
480 g de morango
1/3 de xícara (chá) de açúcar (60 g)
1 caixa de biscoito champanhe com açúcar fino (180 g)
80 g de morango (para decorar)



Decorei com suspiros e polvilhei coco ralado para dar uma "graça"

Modo de preparo

Na batedeira, bata o creme de leite com a essência de baunilha até obter picos firmes (aproximadamente 2 minutos). Reserve. Numa tigela média, amasse o morango com um garfo. Junte o açúcar e misture bem. Reserve. Quebre grosseiramente os biscoitos. No fundo de uma taça ou de um refratário, faça uma camada com metade dos biscoitos.

Cubra com metade do morango reservado e, por cima, espalhe metade do creme batido reservado. Continue alternando as camadas finalizando com uma camada de creme. Decore com os morangos toda a superfície. Cubra com filme plástico e deixe na geladeira até firmar (cerca de 4 horas). Sirva bem gelado.



Pavê de morango com beijinho

Ingredientes
Biscoito champanhe
leite ou leite coco para umedecer os biscoitos
400 g de morangos lavados secos e picados

5 colheres (sopa) de açúcar
1 lata de leite condensado
100 g de coco ralado
1 colher (sopa) de manteiga
1 lata de creme de leite




Modo de preparo

Prepare a geleia: em uma panela, coloque os morangos, o açúcar e misture bem.
Leve ao fogo brando, sem mexer, e deixe cozinhar até dar ponto de geléia (até os morangos ficarem bem pequenos).
Reserve.
Prepare o beijinho: em uma panela, misture o leite condensado, o coco ralado e a manteiga.
Leve ao fogo brando, mexendo sem parar até engrossar. 

Desligue o fogo e misture o creme de leite.
Em um refratário ou em taças individuais, alterne camadas de biscoitos umedecidos no leite ou leite de coco, camadas de geleia e de beijinho.
Leve para gelar e na hora de servir, decore com morangos frescos.

Dica: os morangos só devem ser lavados alguns minutos antes do consumo ou utilização em receitas.



Continue lendo ››

12.5.14

52 Objetos - Semana 49


♥ Objeto 49

O que é: Caneca e mini leiteira



De onde vem: Ganhei de presente

Onde fica: Dentro do armário da cozinha

Porque foi escolhido: Eu ganhei esses objetos de uma colega venezuelana do curso de alemão. Um dia, depois da aula, fomos juntas em uma loja de departamentos para ver algumas coisas e eu havia gostado desse conjuntinho, mas não comprei. Para minha surpresa, no meu aniversário ela me deu de presente. A caneca eu uso quase todos os dias para tomar o meu café com leite. Achei tão carinhoso o gesto dela, porque, fora do curso, não nos víamos com frequência, mas ela sempre lembra de mim, me convidando quando comemora o seu aniversário, quando fez o chá de bebê da filha e logo mais vamos nos encontrar de novo. Quando a gente conversava sobre como a Suíça era um lugar calmo para se morar, ela dizia: "La Suíza no es un lugar para rumberos". hahaha Concordo com ela!

Continue lendo ››

9.5.14

Da arte de reclamar e de ser mal educado

Ontem eu fui ao Consulado Brasileiro em Zurique para renovar o meu passaporte. Alguns serviços consulares exigem que você agende primeiro um horário pela internet, o que eu, particularmente, acho ótimo! Facilita. Você sabe (ou tem pelo menos uma idéia, já que pode atrasar um pouco) da hora em que será atendido e não precisa chegar lá às 05:00 da manhã, rs.. para pegar uma senha para o atendimento. Na página do consulado na internet tem todas as informações para o tipo de documento/serviço que você precisa. É só ler e se informar, poxa vida!

Logo que pego o elevador, já escuto de uma Sra. que esse esquema de agendamento pela internet é um horror e dá muito trabalho. Eu digo que não achei não, que eu achei bom e que facilita e etc... ela vira a cara pra mim, rs.. provavelmente porque não encontrou uma cumplice para a sua reclamação.

E sempre que vou ao consulado vejo gente reclamando. E pelo que observo são pessoas que não levaram a documentação completa e querem que os funcionários deem um jeitinho ou façam um milagre com os papéis delas. Vejam bem, enquanto a gente espera, inevitavelmente não dá para deixar de ouvir algumas histórias, rs...

Eu nunca tive uma reclamação do Consulado Brasileiro de Zurique. Sempre que fui lá, resolvi o que tinha para ser resolvido e fui bem atendida. Vai ver que é porque eu tive "sorte" e levei toda a documentação em ordem, rs...

Mas o que mais me choca, é gente que dá piti, bate o pé para o funcionário do consulado, reclama, grita até, diz que o caso dela é urgente e etc... Eu duvido, DUVIDO, se essas pessoas fariam o mesmo com um funcionário suíço em uma repartição suíça qualquer. Mas porque o funcionário é brasileiro, "pode" né?!

Falta de educação é uma coisa que sempre me chateia. Seja com ou em qualquer nacionalidade, seja com quer for. Seja em qualquer lugar do mundo. É uma coisa que eu não aceito.

Continue lendo ››

7.5.14

Genebra

A cidade de Genebra fica na parte francesa da Suíça e é a maior cidade deste lado do país. É uma cidade muito internacional e também uma das mais caras para se morar na Suíça.


Eu sempre gostei muito da parte francesa da Suíça, mas das duas vezes em que estive em Genebra, ou Genf, para quem mora na parte alemã, me decepcionei um pouco, não com a cidade em si, que por sinal é linda, mas com o atendimento em geral das pessoas de lá. Pode ter sido somente "azar" da minha parte, mas sei lá, fiquei com uma impressão não muito boa de lá neste sentido.


Enfim, feita esta introdução, vale dizer que a cidade é muito charmosa. A promenade que circunda o lago de Genebra, além de muito bonita, é rodeada por hotéis luxuosíssimos.


Uma história trágica também marca o lago de Genebra. Foi às margens desse lago, que  em 10 de setembro de 1898, o lunático italiano Luigi Lucheni assassinou a imperatriz Sissi da Aústria.



Placa em lembrança ao assassinato de Sissi e o trenzinho turístico que contorna o lago de Genebra

Basta que o sol brilhe um pouquinho mais, que já é o suficiente para
as pessoas irem para a beira do lago aproveitar o dia.

É também em Genebra que começa a história dos famosos relógios suíços. E, estando lá, por onde quer que você ande você verá referências aos relógios de luxo. As lojas e os painéis com as propagandas das marcas Patek Phillipe, Rolex, Tissot, Raymond Weil e etc... estão por toda parte.


Embora o lago de Genebra seja a principal atração da cidade, o centro antigo também é muito bonito e é sempre uma descoberta caminhar pelas ruas da cidade antiga e aprender um pouco mais de como se deu a formação da cidade.



A prefeitura de Genebra existe desde o século 16 e ela serviu como base para a fundação da Cruz Vermelha, que foi criada na Suíça em 1855.



A praça das armas na prefeitura de Genf. O canhão de ferro data de 1683

A catedral, "Cathédrale St.Pierre", é também um ponto importante da cidade. Originalmente ela foi construída para ser um templo católico, porém com a reforma religiosa, desde 1535 ela é a principal igreja protestante de Genebra. A catedral também tem uma função cívica pois lá são realizadas as tomadas de posse do governo cantonal.


 
Genebra também abriga a sede da ONU na Europa. Como fomos em um domingo, o prédio estava fechado para a visitação.


A cadeira com uma perna "amputada", é uma escultura que fica em frente ao prédio da ONU. Ela foi criada para chamar a atenção dos países para que firmem o tratado de proibição de minas humanas.

 
O tratado também visa que as nações cumpram com o compromisso de ajudar a desminar os territórios com minas terrestres. 



Eu tenho muita vontade de fazer um tour guiado pela ONU, então qualquer dia volto de novo a Genebra. E, de quebra, quem sabe assim tenho uma outra impressão dos suíços-franceses :-).
Continue lendo ››

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...