25.9.18

Viva Madri, viva la vida!

Madri, que cidade fantástica!! Animada, viva, divertida, alegre, cultural, bonita, segura e barata. Só vi qualidades nela, rs... Conheci Madri agora, na semana passada, e simplesmente adorei.
Puerta de Alcalá, construída em 1788 pelo rei Carlos II para servir como porta de entrada para a cidade
Curiosamente, a Espanha não é um país que eu visite tanto, mas sempre que eu volto de lá, é com uma impressão muito positiva. E agora, depois dessa nossa curta estada em Madri (ficamos três noites), já decidimos que ano que vem iremos de novo à Espanha para conhecer outras cidades.
Pelas ruas de Madri: arquitetura muito bonita!
Essa foi uma viagem decidida e planejada quase que de última hora. Como eu e meu marido tínhamos uma semana de férias já programada para setembro, tínhamos a princípio a idéia de viajar de carro para algum país aqui mais perto da Suíça, mas ai acabei encontrando passagens aéreas para Madri por um preço bem convidativo e resolvemos ir. Melhor decisão!
 Madri e suas "calles" (ruas) muito charmosas
Pesquisei em alguns blogues/sites de viagem o que poderia fazer por lá, e lá fomos nós. Eu gosto sempre das dicas do site viaje na viagem, do Ricardo Freire, que inclusive foi um dos primeiros blogs de viagem do Brasil, eu acho. Acho as dicas muito boas. Aliás cada vez mais eu gosto de planejar viagens sem ser com guia turístico. Eu acho que acabo me divertindo mais e descobrindo coisas por mim mesma. Enfim, gosto pessoal.
Praça de Sevilla, projetada pelo arquiteto Santiago Calatrava o mesmo que projetou o museu do amanhã do Rio de Janeiro
Eu gostei muitíssimo de Madri, aliás eu adoro cidades grandes! Acho bem legal fazer passeios/viagens para ter conexão com a natureza, mas acho que morando aqui na Suíça minha cota de paz e amor e contemplação de passeios pela natureza já está preenchida, então fui "rumbar" , ou melhor, curtir la vida!! E como os espanhóis sabem fazer bem isso!
A cidade é agitada dia e noite. Comércios e restaurantes funcionando até altas horas. Gente pelas ruas até tarde da noite (mesmo nos dias de semana). É uma cidade vibrante! Quem mora na Suíça vai entender o meu encantamento com isso, rs....
Puerta del Sol a noite com apresentações de artistas. Me lembrou muito o centro de São Paulo
Estação Castilla de metrô: a parte moderna de Madri
Também gostei muito dos madrilenhos. Sem exceção fomos bem tratados (com cortesia e honestidade) em todos os lugares em que estivemos.
Marido comprou um pequeno guia da cidade e vimos que a cidade de Madri é muito bem conectada com muitas linhas de metrô e apesar de termos nos hospedado bem central (no Barrio de las Letras) e termos feito muita coisa a pé, o metrô foi uma mão na roda!

Puerta de Sol com a estátura do urso e o Medronheiro (uma árvore). A estátua é o simbolo de Madri
Estivemos nos pontos mais icônicos e importantes de Madri como o Palácio Real, o Parque da Independência, a Praça da Espanha, Gran Via, Museu Reina Sofia, Plaza Mayor (estava a poucos minutos a pé de onde nos hospedamos), Puerta del Sol e etc...Curtimos demais os dias nesta cidade.
Puerta del Sol, o coração de Madrid
Palácio Real: com seus quase 3500 quartos, nâo é a residência oficial dos reis da Espanha. Mas uma parte é aberta ao público para visitação. Pena que fotos internas não são permitidas. É lindíssimo e vale muito a visita.
Uma das poucas alas do Palácio Real onde fotos são permitidas
A única dica turística que li em blogs e segui e acabei me arrependendo foi ter ido ao restaurante Botin, o que é considerado pelo Guinness como o restaurante mais antigo do mundo. A princípio eu não estava tão a fim de ir, mas uma amiga do Brasil foi, adorou. Outra me disse que não tinha achado tudo isso... na dúvida e como estava em Madri, fui. Não que o restaurante seja ruim, mas é que nâo achei nada assim demais. A comida aliás (pedimos um cochinilho assado - que é um porquinho), estava bem normal, nada demais. Já comi carne de porco melhor na Alemanha e até aqui na Suíça mesmo. Enfim, experiências de viagens. Fora isso, comemos e bebemos muito bem em todos os bares e restaurantes que frequentamos. Tinto de Verano, Sangria, Paella, churros, bocadillos...hummm água na boca só de pensar!

Plaza Mayor e a Paella deliciosa a 12,50 euros que comemos em um dos restaurantes da Plaza (restaurante Los Galayos). Achei que por ser um lugar turístico a comida seria mais ou menos, mas estava ótima. Preço bem ok tanto da Paella quanto da água e cerveja. Recomendado :-)
Plaza Mayor, um ícone de Madri
Eu sei que voltei de Madri com um gás a mais. Escrevi até este post no blog, olha só, rs...eu admiro muito o jeito descontraído com que os espanhóis levam a vida! Apesar da crise, as pessoas não deixam de curtir a vida. Madri também me passou (aos meus olhos de turista) a impressão de ser uma cidade segura, visto que a vida noturna é bem agitada com gente nas ruas até altas horas. Isso me deixou tão boquiaberta, porque não tem como não pensar no Brasil. Temos um clima parecido com a Espanha, um povo alegre, cidades bonitas (apesar de algumas estarem bem mal cuidadas), mas a insegurança e a violência tiraram a qualidade de vida do brasileiro. Olha como o brasileiro deixa de curtir uma noite de verão ao ar livre com amigos, por medo...isso me entristece e corta o meu coração.
 
Parque da Independência: é imenso, bem cuidado e com monumentos líndissimos!

Chapéu, protetor solar e óculos de sol. Em pleno mês de setembro Madri passava dos 30 graus

Eu já havia lido que os madrilenhos adoravam curtir a noite (de domingo a domingo) e em Madri pude comprovar isso: as praças viviam cheias de gente, dia e noite, as ruas com bares e mesas tomando conta das calçadas eram um convite à curtição. E vocês pensam que eram só adolescentes ou jovens na night? Nada disso, senhores e senhoras que lembravam os personagens de um filme do Almodovar (adoroooo!!) badalavam na noite também. Isso é viver!!


Madri é uma daquelas cidades que me deixam saudade. Sabe aquelas cidades que você consegue se imaginar morando? Então, pra mim Madri é uma delas...mas nenhum lugar é perfeito, nem Madri, que por exemplo, tem um monte da porcaria de Starbucks pelas avenidas, difícil achar um café que não seja esse dito cujo. Cadê o café do Pepe, do Paco, do Gonzales, rs...
Catedral de la Almudena, a igreja mais importante de Madri
Claro que eu não sou ingênua de pensar que a vida como turista seja parecida com a vida "real", aquela vivida no dia a dia. Mas tem aqueles lugares que o seu coração balança. E que a Espanha balança o meu coração, ah...balança.

A caneca linda que eu trouxe para lembrar de Madri :-)

Foi um prazer te conhecer. Te voy a echar de menos, Madrid!

Continue lendo ››

18.9.18

Verão magia



Quando entrar setembro
E a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão
Onde a gente plantou.
Beto Guedes, Sol de Primavera

Pois é, setembro chegou e esse post deveria ser sobre o começo do outono, mas é que este ano nós tivemos (ou melhor, estamos tendo) um verão tão maravilhoso, que não deu pra não escrever agradecendo por isso.

Ficou realmente difícil encontrar tempo para sentar e escrever aqui. Com tanta coisa e tanta vida acontecendo lá fora, o blog foi ficando para escanteio.

Já estamos no final de setembro e até agora o sol e o calorzinho tem nos acompanhado. Desde que eu moro aqui eu nunca vi um verão tão longo. Na verdade desde abril que o tempo por aqui tem sido bem agradável, com poucos dias realmente "feios". Faltou chover, porque desde há muito tempo não se tinha notícia de um verão tão seco. Nós também tivemos, lá pelos meados do mês de agosto, umas duas semanas de calor insuportável (Hitzewelle, nome alemão para onda de calor), mas passou, e o verão voltou a reinar absoluto por aqui.

Eu já tinha começado a me despedir do verão lá pelo finalzinho de agosto, mas nada dele ir embora, rs...meus casacos de outono ainda estão guardados, as sandálias e as sapatilhas ainda estão sendo usadas e a gente vem aproveitando a vida ao ar livre como nunca.

Cafezinho gelado na varanda em um fim de tarde bem quente de setembro
Eu fiz tanta coisa neste verão, em partes também por causa do bom tempo, porque atividades outdoor são bem mais fáceis de organizar. Teve viagem para Berlin (presente de anivesário), também fomos para Dresden, Weissen, Eisnach e Bamberg, cidades alemãs muito lindas e interessantes para se conhecer. Valeria escrever um post para cada uma delas, massss deixemos isso para os blogs de viagem, rs... 
Dresden e a Frauenkirche (igreja de Nossa Senhora)
Foto clichezona de Berlin, com o portão de Bradenburgo ao fundo
Fora essas viagens, fizemos também alguns hikings pelas montanhas suíças, cuja beleza e suntuosidade sempre nos impressiona.
Kleine Scheidegg, Suíça
"Todos os caminhos levam à morte. Perca-se". Jorge Luis Borges

 


Também fizemos muita coisa em casa mesmo, pra curtir nossa varanda com amigos, papeando, comendo comidinha e churrasquinho caseiro.  Depois de ter "conhecido" uma galera pouco confiável por aqui, como é bom ter gente bacana, confiável e amiga de novo por perto. Só posso agradecer!


Detalhe da decoração de uma mesa que fiz para receber amigos em casa, no dia do jogo do Brasil!!
Almocinho com vinho chileno para celebrar o verão!!
Enfim, em breve as roupas e os sapatos de verão serão guardados. Os cobertores e os casados de
inverno farão parte dos nossos dias. As manhãs já estão acordando mais friazinhas e a noite já cai dia a dia bem mais cedo. Pelo calendário, a despedida do verão europeu será no dia 22 de setembro e embora eu adore o outono, pela primeira vez eu não estou com saudade dele, rs... Mas, a vida segue o seu ciclo e o outono-inverno serão também mais que bem-vindos!

Thanks Lord por tão maravilhoso verão!! 

E vocês, como foram de verão?
Continue lendo ››

25.7.18

Poliéster não refresca

Finalmente resolvi passar neste blog que anda muito abandonado... enfim, coisas da vida. Mas, vamos escrever sobre coisas boas, como o verão, por exemplo, que este ano está finalmente podendo ser de fato chamado de verão. E está bem quente, mas eu é que não vou reclamar do calor, porque né, meses friorentos e dias muito cinzas virão. É só esperar.

E os dias estão muiito abafados. Com isso eu procuro sempre me vestir com roupas confortáveis e, principalmente, feitas com tecidos naturais (como algodão, linho, viscose). E ai é que o poliéster entra na história. Sim, porque as lojas estão LOTADAS de roupas neste tecido. Pra mim é quase uma odisséia encontrar blusinhas do meu gosto que não sejam feitas com o maldito bendito poliéster.

Pra mim o poliéster é um tecido que não refresca em nada no calor e como eu sinto muiito calor e transpiro pra caramba, esse material só aumenta o meu desconforto. Onde foram parar as roupas de algodão?? E o linho então, nem se fala, parece tecido de outro mundo... (se bem que eu vi roupas em linho em uma loja daqui (Manor), mas as achei com cara muito "senhora" e não comprei nada). Claro que blusinhas bem básicas de algodão sempre se encontra por aqui, mas aquelas mais bonitas e "fashions" e coloridas, fica difícil, viu!

Eu até consigo usar saias feitas com poliéster, mas para a parte de cima, no verão, pra mim fica praticamente impossível. Poliéster é um material barato e a maioria das lojas mais "populares" daqui como H&M e outras, enchem as araras com roupas neste material. E não só as lojas mais baratas, as mais caras também tem muita roupa em poliéster!

Enfim tá ai um post cheio de mi mi mi, só pra dizer que eu peguei uma birra muito grande do poliéster, rs...  (who cares?) as blusas feitas com esse material até que são bonitas, mas só de colocar a mão eu já identifico o "plástico" do poliéster.

Pra não ser tão injusta, encontrei recentemente essas quatro pecinhas em tecidos naturais e fiquei feliz da vida. Algodão é vida!
Sim, eu adoro estampas

 Quem ai também gosta de tecido natural?
Continue lendo ››

1.3.18

Varenna

Eu ainda não sei exatamente o porque eu demorei tanto para conhecer essa cidadezinha que fica tão pertinho da Suíça, quer dizer, especificamente perto para quem mora na parte italiana principalmente. Bom, mas isso não vem ao caso agora.

A cidade está localizada às margens do lago de Como (Comosee) e assim como Riva del Garda, ela pertenceu ao império austríaco até o século XIX.  A cidadezinha é linda, ótima para passar algumas horas tomando um gelatto italiano.

Varenna é bem turística e os preços são um pouco inflacionados, acredito eu pelo fato de estar muito próxima à Suíça.


Varenna é o tipo de cidade (melhor dizendo, na verdade é um pequeno vilarejo, já que somente 848 pessoas vivem lá) para se passar algumas horas andando, meio que sem rumo mesmo, é uma delícia passear pelas ruas e vielinhas apreciando o lindo lago de Como. Lá não tem "muito pra fazer" a não ser flanar mesmo pelas ruas e apreciar o trabalho dos artesãos locais. Eles vendem quadros, peças feitas a mão e outras coisinhas.



É um privilégio poder desfrutar de passeios assim sem estar tão longe de casa. A localizaçâo estratégica da Suíça ajuda. É só dirigir por alguns quilômetros que é possível estar na Itália, Alemanha, Aústria e França.



Não vejo a hora deste frio siberiano passar para descobrir mais cidades lindas por ai... Arrivederci, Itália.


Continue lendo ››

23.2.18

Uma volta pelo Lago de Garda

Depois de meses de um longo inverno, quando chega o finalzinho de fevereiro e os dias já começam a escurecer um pouco mais tarde, começamos (eu pelo menos) a nos programar mentalmente sobre o que fazer na primavera e nos dias de verão. Aqui na Suíça o inverno é muito longo e tem uma hora que a gente fica quase "sem aguentar" mais o frio e tantos dias cinzas.

Ainda bem que não muito longe, ali, logo na Itália, nós temos opção de céu azul e frio mais ameno.

Uma dessas opções é a região do lago de Garda. Esse foi um dos lugares que eu visitei no verão do ano retrasado e de repente bateu saudade dos dias claros e quentes...

Desensano de Garda, uma das cidades que circundam o Gardasee
O lago de Garda, ou Gardasee, como é chamado pelos falantes de alemão, é o maior lago italiano. Ele fica localizado na região norte da Itália, circundando as regiões da Lombardia, Vêneto e Trentino Alto Adige.

Essas regiões são muito procuradas turisticamente, não só pelos italianos, mas muitos turistas da Suíça, Aústria, Alemanha e França visitam a região principalmente durante a temporada de verão.

Pra quem mora na Suíça (região de Zurique, Aargau, Basel), por exemplo, chega-se lá em menos de seis horas de carro. Mas, claro que tudo vai depender do trânsito e da época que você queira visitar essa região. Isso porque se o tunel Gottard (que liga a parte alemã à parte italiana da Suíça) estiver fechado, se prepare para pelo menos umas duas horas a mais de percurso, isso se não houver nenhum acidente pelo caminho (batendo na madeira em um, dois, três...).

O mini porto da cidade de Desenzano

Até pela proximidade e pela probabilidade de tempo bom, a região é muito visitada pelos moradores da Suíça. Afinal, quem não quer solzinho, comida boa e barata e de quebra paisagens lindas pelo lado de Garda? Eu quero!

A região é muito linda e circundada por cidadezinhas bem charmosas como Sirmione, Desenzano, Riva del Garda, entre outras. Eu visitei essas três cidades durante um final de semana prolongado e gostaria de ter ficado mais para ir conhecendo outras cidades da região.
Uma parte do centro de Desenzano

Ficamos hospedados na cidade de Desenzano que é bem menos turística que Sirmione e Riva de Garda, o que significa também menores preços de hospedagem.

De Desenzano fomos visitando as outras cidadezinhas (Sirmione e Riva del Garda). Para chegar até Sirmione tomamos um barco partindo de Desensano e foi coisa bem rápida.

Sirmione é um centro turístico muito importante, graças ao centro antigo que possui um castelo medieval. Além disso a água de Sirmione é muito rica em enxofre que faz muito bem a saúde. A cidade possui termas e spas de tratamento.
O Castelo de Sirmione, chamado Rocca Scaligera, tem cerca de 2,5 km de extensão o que permite a entrada e a saída do centro antigo. Você deve atravessar a ponte do castelo para entrar ou sair da cidade.
Sirmione já é bem mais turística que Desensano e recebe muitos turistas, principalmente no verão. Lá há muitos hotéis, restaurantes e toda uma infraestrutura para navegação pelo lago de Garda.

Já a cidade de Riva del Garda é bem mais calma. Lá a vibe é um pouco diferente da de Sirmione, por exemplo. A cidade fica bem próxima à Aústria (ela inclusive pertenceu a Aústria até o ano de 1918), e tem toda a influência de organização, limpeza e charme austriaco. A cidade é recheada de lojas que vendem produtos de couro e em muitas delas o atendimento também é feito em alemão. 
O centro de Riva de Garda


Riva del Garda


Enfim, a região do lago de Garda, para quem mora na Suíça, é um destino turístico fácil de ser acessado e de baixo custo. Vale a pena conhecer a região.

Continue lendo ››

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...